O marketing 4.0 é a mais nova análise teórica de Philip Kotler sobre as relações entre empresas e consumidores. Entender o que significa e como é possível se adaptar às novas tendências é essencial para garantir o desenvolvimento de sua marca.

Nas primeiras décadas do século XX, quando a segunda revolução industrial começava a mostrar seus efeitos na sociedade, grandes indústrias tiveram o primeiro contato com algo que permanece até hoje: a competição de mercado. Com a produção em crescimento, era preciso, pela primeira vez, disputar espaço comercial.

Da necessidade de superar a concorrência, surgiu o marketing como o conhecemos, que até os tempos atuais evolui conforme mudanças sociais e mercadológicas. Hoje, em plena era digital, passamos por um novo período de adaptação.

É notório que a relação entre mercado e público não é como antes, se mostrando muito mais horizontal. As características desse cenário foram estudadas pelo acadêmico Philip Kotler, que então desenvolveu o conceito nomeado marketing 4.0.

Neste artigo, vamos falar mais sobre suas definições e traçar uma linha do tempo com as etapas anteriores à atual. Depois, explicaremos como sua empresa pode aplicar estratégias para acompanhar as novas tendências de consumo. Confira!

O que é marketing 4.0?

O marketing 4.0 representa, de acordo com as palavras do autor, a chegada da revolução digital para empresas. Essa definição diz muito sobre as características do atual cenário de marketing, especialmente no que diz respeito aos canais de mídia utilizados para a conexão com o público.

Antes, a principal forma de publicidade era feita com a compra de espaço em jornais, TVs e revista. Hoje, com a expansão e democratização da internet, os esforços de Marketing Digital são muito mais eficientes para alcançar um público maior, mais qualificado e por um preço relativamente mais baixo.

Contudo, analisar apenas as mudanças tecnológicas ocorridas para possibilitar esse período seria raso demais. Para entender o conceito, é preciso compreender como esse avanço na área de tecnologia alterou a forma como clientes encaram seu relacionamento com marcas. Para isso, pense nas redes sociais.

A grande conectividade possibilitada pelas redes trouxe grandes alterações de aspecto social. Hoje, em vez de prezar pela exclusividade, as pessoas promovem a inclusão e o senso de comunidade. Além disso, com a virtual eliminação de barreiras de entrada, a competição pela preferência dos internautas foi potencializada.

Esse último aspecto tem, como efeito, a horizontalização da relação entre público e empresa. Com diversas informações ao alcance do dedo, o consumidor não é mais influenciado por propagandas publicitárias como era antes. Em vez disso, ele dá mais valor aos feedbacks dados por conhecidos ou influenciadores digitais.

Portanto, o desafio das companhias nessa nova era é superior a desenvolver produtos e serviços de qualidade. Elas precisam, acima de tudo, saber como envolver um público mais crítico, com menos tempo disponível e afetado por inúmeras formas de estímulo ao mesmo tempo.

Quais são as outras etapas do marketing?

No início do artigo, mencionamos que o marketing passou por evoluções até chegar no cenário atual. Philip Kotler, autor do conceito de marketing 4.0, também dedicou seus estudos a identificar os elementos característicos das etapas anteriores.

Compreender como o processo se desenvolveu ao longo do tempo é importante para notar como as características de cada era estão ligadas às outras, e como é preciso ficar atento para se adaptar às mais leves mudanças de cenário. Vamos, então, voltar no tempo e entender os detalhes de cada fase.

Marketing 1.0

Já falamos que a competição gerada pela revolução industrial influenciou no surgimento do marketing. O boom desse processo ocorreu na primeira metade do século XX, marcada pelas grandes guerras mundiais, que intensificaram as disputas entre as grandes indústrias globais.

Na época, caracterizada pela produção em massa, as atividades comerciais eram completamente focadas no produto, deixando de lado qualquer consideração do consumidor. As empresas simplesmente produziam, anunciavam as funções do produto e vendiam.

Fatores como diferenciação e personalização eram ainda desconhecidos. Porém, com o crescimento da concorrência local, o modelo se mostrou ultrapassado, dando lugar ao marketing 2.0.

Marketing 2.0

Nesse período, que tem como foco o consumidor e não o produto, as empresas começaram a buscar alternativas para se diferenciar das demais. Assim, os esforços de marketing eram voltados a criar uma verdadeira identidade para a marca, desenvolvendo aspectos visuais, slogans e variedade nos produtos.

Com mais opções de compra, os clientes adotaram uma posição mais exigente. Foi daí que surgiu um conceito que persiste relevante até hoje: a segmentação. Ao segmentar os consumidores, as marcas passaram a ter maior facilidade para desenvolver mensagens com impacto positivo.

Esse período é marcado pelos grandes comerciais de TV que, utilizando técnicas narrativas e uma linguagem condizente com o público, conseguiam criar uma conexão entre marca e audiência.

Marketing 3.0

Com o passar do tempo, o nível de exigência do consumidor continuou subindo. Ao se notar como peça mais alta da pirâmide do mercado, e não como mero alvo, ele percebeu que exerce poder sobre as empresas. Por isso, o público passa a exigir que as marcas ajam de forma mais humanizada.

Esse foi o período que consolidou a ideia de todo empreendimento contar com missões, visões e valores claros. Com maior facilidade de encontrar informações e com mais opções de negócios, os consumidores passaram, então, a ditar as tendências de mercado de acordo com seus próprios ideais.

Um exemplo claro e recente é a mudança pela qual passou o formato de comerciais de TV. Antes, a abordagem era focada em puro entretenimento para envolver o espectador, o que abria espaço para esquetes muitas vezes consideradas sexistas.

Ao notar que esse tipo de comportamento não é mais aceito pela audiência, as cervejarias mudaram o teor das publicidades. As peças veiculadas hoje são muito mais ponderadas e inclusivas, demonstrando o compromisso da marca com os valores sociais.

Como adaptar sua empresa às novas tendências de consumo?

Agora que você entende o que é marketing 4.0 e quais transformações possibilitaram chegar a esse estágio, vamos falar sobre algumas práticas que devem ser utilizadas para adaptar sua empresa às novas características do mercado. 

Continue a leitura!

Realize a transformação digital

Como definido por Philip Kotler, o marketing 4.0 representa a revolução digital para empresas. Dito isso, é importante que a sua companhia conclua o processo de transformação digital. Ao contrário do que muitos pensam, não basta criar contas em redes sociais e investir no Marketing Digital.

É preciso mais. As mudanças propostas são feitas em âmbito estrutural. Ou seja, todos os processos da empresa devem ser pensados dentro do contexto digital da sociedade moderna.

Isso significa um passo bem além da digitalização de documentos. A tecnologia não deve mais ser vista como algo superficial e auxiliar, mas, sim, como peça central da estratégia do empreendimento.

Invista no Marketing de influência

Como falamos ao conceituar o marketing 4.0, os consumidores atuais são muito mais propensos a acreditar na opinião de alguém sobre uma empresa do que nos esforços publicitários da companhia. Assim, é importante contar com clientes satisfeitos que possam agir como defensores da marca.

Como isso é possível? Além de oferecer produtos e serviços qualificados, é necessário prezar pela experiência geral do cliente. Se, ao fim da transação, ele se sentir valorizado e considerar que a decisão de fazer negócios com a empresa foi recompensadora, seu feedback pode trazer novas oportunidades.

Uma forma mais direta de alcançar essa influência é por meio de parcerias com influenciadores digitais. Esses indivíduos contam com um público altamente segmentado e que dá grande valor às suas recomendações.

Encontrar um influencer que atue dentro do seu nicho do mercado pode, então, ampliar o seu alcance.

Trabalhe uma estratégia de Marketing de Conteúdo

Para driblar as necessidades de grande investimento publicitário e potencializar os esforços do Marketing Digital, cada vez mais empresas adotam uma estratégia de Marketing de Conteúdo. Ao contrário do modelo tradicional, essa abordagem busca atrair o público até você, possibilitando sua transformação em lead.

O interessante dessa estratégia no contexto do marketing 4.0 é que ela possibilita que a revolução digital alcance todo o seu potencial. Por meio de ferramentas de automação de marketing, é possível otimizar o contato com consumidores e mensurar a eficiência da abordagem.

Além disso, toda a comunicação com seu público-alvo é facilitada com a criação de uma persona, personagem semifictício que representa o cliente ideal. Ao entender seus valores, dores e motivações, você cria conteúdos que o impactem de forma direta, criando uma relação de maior confiança.

Contar com o crédito dos consumidores é essencial, especialmente em uma era em que a credibilidade de esforços publicitários está reduzida.

Essa confiança, aliás, pode ser ampliada com o estabelecimento de autoridade para sua marca. Utilizando técnicas de SEO, você pode garantir que sua página na internet apareça entre os principais resultados de buscadores de modo completamente orgânico, o que é bem visto pelo consumidor 4.0.

Entender o significado do marketing 4.0 possibilita que você ajuste as operações de sua empresa para garantir maior eficiência comercial. No cenário atual, caracterizado pela competição e pela horizontalização de relações entre marcas e clientes, só obtém o sucesso quem estiver alinhado com as exigências do público.

E aí, deu para entender como o marketing 4.0 está diretamente ligado aos avanços tecnológicos das últimas décadas? Quer saber mais sobre esse universo? Neste artigo, explicamos o que é transformação digital e seus impactos na sociedade. Confira!

Conteúdo produzido por Rock Content.

Fechar Menu